mar 17 2019

Gritos e sussuros

Imagine um dono que grita e um cão que late. Humberto é um sujeito assim. Eleva a voz para tudo e todos. “Patrícia, não faz isso”. “Eu disse que não gosto disso”. “Chega disso!”. No último destempero, ordenou: “Acabou. Saia daqui e não volte mais”. Ela obedeceu. A mestiça juntou as coisas e foi morar sozinha. Em poucos meses, juntou-se com outro e teve um filho com ele. Ostentou o menino, já com alguns meses de idade, segurando-o ao alto, como se fosse um troféu de Copa do Mundo, para inglês ver, para Humberto ver. Jornalista reservado, o ex-marido de Patricia resolveu passar pela página social da mestiça e viu o mesticinho. Ficou triste, melancólico. Mas depois voltou ao estado de equilíbrio. Seguiu em frente. Apagou Patrícia e a deixou para trás. Obcecado, bolou um plano. Objetivo: noivar com outra mestiça. Apagou as conexões e só deixou as… mestiças. Engenheira, como a outra, arquiteta, executiva, secretária, enfermeira, advogada, etc. Flertou com todas, mas a engenheira se destacou. Saiu com ela, jantou à luz de velas, começou a namorar. Casou. Finalmente, feliz no casamento. A segunda mulher era um reflexo da primeira. Sorrisos parecidos, gemidos idênticos! Tudo igual. Mas os gênios eram diferentes. A atual tolerava os gritos do parceiro, com um porém: ela surrava o cara na cama, com sussurros. Ele gritava, de dor (e amor). A lógica era essa: se grita de dia, apanha à noite, entre as quatro paredes. Efeito disso: Humberto evitava gritar com a mulher. Não era nem um pouco chegado a masoquismo. Uma terapia e tanto, inventada pela mestiça Heloísa. Emponderada no lar, ela cedeu ao principal desejo do marido: engravidou. Deu a ele um filho. Na primeira oportunidade, pegou o mesticinho e entregou-lhe nos braços. Altiva e furiosa, mandou que Humberto, o idiota, levantasse o menino como se fosse um troféu de Copa do Mundo. Humberto, o tolo, obedeceu feliz. Ela registrou a foto e publicou, marcando Humberto. Curiosa, Patrícia viu. Dois bebês, duas medidas. Usados para vingança de suas mães. A ex de Humberto xingou. Heloísa riu. Humberto, eufórico, comemorou. Explodiu em êxtase. Pipocou. Surtou. Enfartou. Morreu. Enterrado pelas mestiças, deixado para trás, sumiu da memória da dupla. Essas se animaram, transaram e casaram. Criaram os mesticinhos como irmãos. A família viveu em harmonia. As mestiças se amaram. Humberto as uniu.


mar 14 2019

Orientações que não dão branco

O vazio preocupa. O nada desespera. A ausência de insight envergonha o escritor. Depois de meses sem publicar nem foto, decidi abrir o blog e… As teclas ficaram ali, à espera. “Vai. Qualquer palavra. Logo”, disse a tecla T. Colei, não saia do lugar. Até que resolvi tocar neste assunto: a falta de inspiração. O que fazer? Recorrer a que quando a mente não obedece ao comando? Anote: 1. Pare de escrever naquele momento. 2. Fique cinco minutos com os olhos fechados, sem pensar. 3. Ouça uma música motivadora. 4. Pratique um esporte ou caminhe. 5. Pesquise sobre um tema, de preferência que domine ou que tenha prazer em estudar. Volte ao computador ou smartphone e desenvolva esse mesmo tema. Escreva mesmo, com vigor. Deixe fluir. Para efeito de prevenção, escolha um lugar calmo e fechado para você meditar pelo menos dez minutos todos os dias. Lembre-se que a ausência de inspiração é sinal de desequilíbrio. Faça o que puder para restabelecer a harmonia. Só com serenidade escrevemos o texto perfeito. O texto sublime, magnético.


jan 3 2019

Sensações

Em 2019, sinto a mudança ou a estagnação em cada passo. Minha consciência aponta em cada decisão ou ação se estou avançando ou se estou regredindo ou se, simplesmente, repito o que fazia antes. Nunca houve tal vigilância, o que configura um avanço nítido. Percebo, por exemplo, que continuo comendo muito, que não parei de tomar refrigerante, que ainda tenho o hábito de dormir tarde. Que não acordo cedo para correr. Traições às promessas estabelecidas no final do ano passado. Mas, afinal, o que me leva a cumprir ou descumprir uma meta? O que motiva e desmotiva? Na minha opinião, é a vontade. A força de vontade. Sem essa convicção em evoluir, não vai. Acredito que viver em alerta é condição imprescindível para acelerar essa roda da vontade. Com alerta e vontade (ação), vem o sentimento de dever cumprido (reação). E dormimos tranquilos.


jan 2 2019

Jornalistas Unidos

Muito se fala da decadência do jornalismo, que veículos estão fechando, que muitos estão desempregados. Mas pouco se fala na reação. Afinal, sem o quarto poder forte, os outros fazem a festa. Aliás, já fazem a festa. Quem é jornalista tem o dever de revolucionar, de lutar o bom combate. Eu sei que as empresas estão fragilizadas, que os comunicadores não se unem. Porém, alguém precisa reagir a tudo isso. A quem interessa quebrar os veículos de comunicação? A quem interessa desmotivar os jornalistas revolucionários? Eu respondo: aos antibrasileiros, aos corruptos. Jornalistas, uni-vos!


set 10 2018

Quem procura acha

Felício vivia reclamando. Reclamava do irmão, reclamava do pai, reclamava da mãe, reclamava do chefe, reclamava da mulher que não tinha. Reclamava que não tinha emprego, reclamava do carro que quebrava todo dia. Reclamava da profissão que escolheu, reclamava que estava gordo e com colesterol alto. Reclamava que não corria como os amigos faziam, mas não sabia o por quê. Reclamava da vida. E reclamava de Deus. Pensava que o Criador não dava as mesmas oportunidades que as dos outros. Essa convicção permaneceu na mente do rapaz infeliz até o dia que conheceu Carolina, uma típica mulher brasileira. Negra e contente, mudou Felício. Resistente, ele demorou a perceber que não era um injustiçado. Carolina, professora batalhadora, aos poucos mostrou ao amigo, um branco quase inerte, que era ela que sofria, no dia a dia, humilhações diversas. Mas nunca reclamava. Protestava. Felício deu a volta por cima e mudou, agora ele luta. O bom combate o deixou contente. Agora enfrenta a injustiça, a favor dos indefesos. Começou a mudar o Brasil. O seu Brasil.


set 9 2018

Você quer viver dessa maneira?

Norval está convencido de que foi esquecido por todos. O melhor amigo esqueceu da vaga de emprego que havia oferecido. A mulher mais bonita da empresa esqueceu que gostava dele e jogou o copo de café na sua cara. O amigo de infância combinou um rolê, mas esqueceu de ir. Começou a se sentir sozinho. Ideias negativas, de isolamento, ocuparam sua mente. A série preferida sugeriu que mudasse as situações e as personagens, para não cair no esquecimento do mundo. Resolveu mudar seu mundo. Refundou sua ideologia, suas ideias, reviu sua visão das coisas. Levantou, pegou a caderneta, a caneta. E partiu, para entrevistar o povo na rua. Escreveu e publicou. O homem duplo não existia mais. Agora aquele era ele, ele essencial. Você sabe quem você é. Você sabe o que aconteceu com você. Você quer viver dessa maneira?


set 5 2018

Disciplina

O mentor do médium Chico Xavier, indagado pelo discípulo, disse que, para atingir os objetivos desta vida, devemos ter disciplina, disciplina, disciplina. Esses três conselhos foram a base da produção intelectual do maior espírita brasileiro de todos os tempos. No momento daquele aconselhamento, Chico temia não estar à altura do compromisso de psicografar a primeira leva de 30 livros. No total, ele produziu mais de 400. Eu tenho uns cinquenta deles. Emmanuel garantiu que não sucumbiria, se ele se dedicasse ao trabalho, ao estudo e ao esforço do bem. Adquirir a disciplina é importante para manter a unidade, a constância dos trabalhos. Disciplina e planejamento andam de mãos dadas. Se não riscar organograma, a entrega fica comprometida. Se fazemos jobs com prazo na área profissional, devemos seguir o exemplo no campo pessoal. Planejar e não apenas projetar, “sonhar”. Depende da gente. A capacidade de planejar determina a realização. Fé não basta.


set 4 2018

Nico, 1988

O filme em cartaz no Belas Artes leva a vida da cantora à sala de cinema. Artista com seus maiores defeitos – como o vício em heroína – e maiores qualidades – como o amor ao filho e à música. Aquela busca pela perfeição e o aparente descontrole do presente dá ao longa-metragem um toque a mais que outros sobre estrelas do show business. O filme não é nem um pouco didático. Se quiser descobrir a história de Nico, vá ao Google. No cinema, você vai ver um pequeno extrato da essencialidade dela. Prova disso é o fim do filme. Sugiro que não pesquise sobre essa pop star sem antes assistir à essa humilde, porém verdadeira, obra cinematográfica. A figura do produtor, a racionalidade rejeitada, tem peso preponderante no processo de reflexão. Nem tudo vale a pena quando a vida é pequena.


ago 28 2018

Tempo flow

Raí tem problema com o tempo. Não tem a tal pontualidade britânica, perde a hora para acordar, perde avião e ônibus, se atrasa em encontros, vive com relógios atrasados. Raí tem problema com o tempo. Dorme muito, passa o tempo fazendo coisas sem sentido e sem objetivo. Palavra cruzada, Netflix, quebra-cabeça, novela das seis. Perde tempo. Resolve mudar. Medita e ora. Medita e ora. Medita e ora, nos momentos de folga. Sente melhor o tempo. Passa a aproveitar o tempo. Depois, corre. Corre, corre. Medita, ora, corre. Até que decide dançar. Medita, ora, corre e dança. Come menos e melhor. Come pouco. Come quase nada. Sereno, volta a escrever. Escreve, escreve, escreve. E medita e ora. E corre e dança. O tempo deixa de ser um problema. Preenchido com alegria, virou flow. Tempo flow.


ago 3 2018

Atenção em cada ação

Hoje é 3 de agosto. Horário: meio-dia e 55 minutos. Cidade de São Pedro, Estado de São Paulo. Este é o agora. Apesar da realidade estar à minha frente, com imagens atualidadas constantemente pelos circuitos formados pelos olhos e cérebro, um mecanismo insiste em funcionar para atrapalhar o dia a dia: a memória, que tira o foco do momento presente e leva-nos ao passado. Quando não volta, projeta para o futuro, gerando aquilo que a ansiedade antecipatória. A memória provoca um movimento elástico, de vai e volta, que não para no meio – no segundo atual, neste instante – e cria fascinação, saudosismo, os chamados “sonhos”. Aquela namorada com quem era feliz e magoou não existe mais. Aquele emprego que adorava e trocou por outro não existe mais. Aquele estágio dos sonhos que deixou para trás não existe mais. Tudo não passa de imaginação, que atrapalha a caminhada. Quem espera que a vida seja feita de ilusão pode até ficar maluco e morrer de solidão, prenuncia uma música dos Titãs. Para saber viver, e ensinar a viver, uma amiga já em outro plano há 25 anos, por acaso minha avó, em certo ponto do tempo escreveu-me: “Querido neto, o amor do Pai Criador é tão grandioso que permite que o amor que temos uns com os outros nunca se perca e sempre permaneça no coração, dando-nos oportunidade de alegrar com as alegrias dos amores do nosso coração, como também sentir as tristezas, as mágoas dos entes queridos e, também, Rodrigo, temos a oportunidade de cultivar bons pensamentos, que sempre clareiam e dão forças para viver com mais atenção nas ações diárias, não esquecendo jamais que cada um é o artista da própria vida”. Ela encerra a mensagem, aconselhando-me a distribuir “as luzes da compreensão, da coragem e da confiança, silenciosamente”. Sabedoria que comove. Temos que aprimorar a habilidade de farol, de cultivar a atenção no momento presente, neste instante, com amor e alegria. Criar o roteiro da vida com criatividade e misericórdia. Nada vale mais que amar a si e ao próximo. Daí a necessidade de vigiar e amar. O caminho é esse. Sigamos, com as luzes ligadas.