set 10 2018

Quem procura acha

Felício vivia reclamando. Reclamava do irmão, reclamava do pai, reclamava da mãe, reclamava do chefe, reclamava da mulher que não tinha. Reclamava que não tinha emprego, reclamava do carro que quebrava todo dia. Reclamava da profissão que escolheu, reclamava que estava gordo e com colesterol alto. Reclamava que não corria como os amigos faziam, mas não sabia o por quê. Reclamava da vida. E reclamava de Deus. Pensava que o Criador não dava as mesmas oportunidades que as dos outros. Essa convicção permaneceu na mente do rapaz infeliz até o dia que conheceu Carolina, uma típica mulher brasileira. Negra e contente, mudou Felício. Resistente, ele demorou a perceber que não era um injustiçado. Carolina, professora batalhadora, aos poucos mostrou ao amigo, um branco quase inerte, que era ela que sofria, no dia a dia, humilhações diversas. Mas nunca reclamava. Protestava. Felício deu a volta por cima e mudou, agora ele luta. O bom combate o deixou contente. Agora enfrenta a injustiça, a favor dos indefesos. Começou a mudar o Brasil. O seu Brasil.


set 9 2018

Você quer viver dessa maneira?

Norval está convencido de que foi esquecido por todos. O melhor amigo esqueceu da vaga de emprego que havia oferecido. A mulher mais bonita da empresa esqueceu que gostava dele e jogou o copo de café na sua cara. O amigo de infância combinou um rolê, mas esqueceu de ir. Começou a se sentir sozinho. Ideias negativas, de isolamento, ocuparam sua mente. A série preferida sugeriu que mudasse as situações e as personagens, para não cair no esquecimento do mundo. Resolveu mudar seu mundo. Refundou sua ideologia, suas ideias, reviu sua visão das coisas. Levantou, pegou a caderneta, a caneta. E partiu, para entrevistar o povo na rua. Escreveu e publicou. O homem duplo não existia mais. Agora aquele era ele, ele essencial. Você sabe quem você é. Você sabe o que aconteceu com você. Você quer viver dessa maneira?


set 5 2018

Disciplina

O mentor do médium Chico Xavier, indagado pelo discípulo, disse que, para atingir os objetivos desta vida, devemos ter disciplina, disciplina, disciplina. Esses três conselhos foram a base da produção intelectual do maior espírita brasileiro de todos os tempos. No momento daquele aconselhamento, Chico temia não estar à altura do compromisso de psicografar a primeira leva de 30 livros. No total, ele produziu mais de 400. Eu tenho uns cinquenta deles. Emmanuel garantiu que não sucumbiria, se ele se dedicasse ao trabalho, ao estudo e ao esforço do bem. Adquirir a disciplina é importante para manter a unidade, a constância dos trabalhos. Disciplina e planejamento andam de mãos dadas. Se não riscar organograma, a entrega fica comprometida. Se fazemos jobs com prazo na área profissional, devemos seguir o exemplo no campo pessoal. Planejar e não apenas projetar, “sonhar”. Depende da gente. A capacidade de planejar determina a realização. Fé não basta.


set 4 2018

Nico, 1988

O filme em cartaz no Belas Artes leva a vida da cantora à sala de cinema. Artista com seus maiores defeitos – como o vício em heroína – e maiores qualidades – como o amor ao filho e à música. Aquela busca pela perfeição e o aparente descontrole do presente dá ao longa-metragem um toque a mais que outros sobre estrelas do show business. O filme não é nem um pouco didático. Se quiser descobrir a história de Nico, vá ao Google. No cinema, você vai ver um pequeno extrato da essencialidade dela. Prova disso é o fim do filme. Sugiro que não pesquise sobre essa pop star sem antes assistir à essa humilde, porém verdadeira, obra cinematográfica. A figura do produtor, a racionalidade rejeitada, tem peso preponderante no processo de reflexão. Nem tudo vale a pena quando a vida é pequena.