jan 3 2019

Sensações

Em 2019, sinto a mudança ou a estagnação em cada passo. Minha consciência aponta em cada decisão ou ação se estou avançando ou se estou regredindo ou se, simplesmente, repito o que fazia antes. Nunca houve tal vigilância, o que configura um avanço nítido. Percebo, por exemplo, que continuo comendo muito, que não parei de tomar refrigerante, que ainda tenho o hábito de dormir tarde. Que não acordo cedo para correr. Traições às promessas estabelecidas no final do ano passado. Mas, afinal, o que me leva a cumprir ou descumprir uma meta? O que motiva e desmotiva? Na minha opinião, é a vontade. A força de vontade. Sem essa convicção em evoluir, não vai. Acredito que viver em alerta é condição imprescindível para acelerar essa roda da vontade. Com alerta e vontade (ação), vem o sentimento de dever cumprido (reação). E dormimos tranquilos.


jan 2 2019

Jornalistas Unidos

Muito se fala da decadência do jornalismo, que veículos estão fechando, que muitos estão desempregados. Mas pouco se fala na reação. Afinal, sem o quarto poder forte, os outros fazem a festa. Aliás, já fazem a festa. Quem é jornalista tem o dever de revolucionar, de lutar o bom combate. Eu sei que as empresas estão fragilizadas, que os comunicadores não se unem. Porém, alguém precisa reagir a tudo isso. A quem interessa quebrar os veículos de comunicação? A quem interessa desmotivar os jornalistas revolucionários? Eu respondo: aos antibrasileiros, aos corruptos. Jornalistas, uni-vos!